Acnur cria site para acesso à educação de jovens refugiados no Brasil

domingo, 14 de novembro de 2021

De acordo com a Acnur – Agência da ONU para Refugiados, há pelo menos 26 milhões de pessoas obrigadas a mudar de país. Metade deles são crianças e adolescentes, o que chama a atenção para o acesso à educação.

 

Uma parceria entre a Agência e o governo brasileiro colocou no ar uma página na internet dedicada ao assunto. A iniciativa busca acolher esses jovens e garantir o acesso à escola.

 

O acesso à educação reduz com o aumento da faixa etária. Entre as crianças refugiadas, 77% estão matriculadas até o quinto ano do ensino fundamental. Depois cada para 34%. Entre os motivos que explicam isso estão as barreiras burocráticas, sociais, econômicas, culturais ou linguísticas.

 

O acesso ao ensino é um direito humano e previsto na Constituição Federal.  A Lei de Migração brasileira assegura que crianças e adolescentes refugiados possam se matricular nas escolas, mesmo que não tenham todos os documentos. Todas as informações sobre o assunto estão disponíveis no site educacaopararefugiados.com.br

Compartilhar:

Leia Também