Estilista desenvolve fibra de tecido a partir de alga, em combate as emissões de gases de efeito estufa

segunda-feira, 22 de novembro de 2021

Pensando em soluções para enfrentar a emergência climática, a brasileira Thamires Pontes desenvolveu uma nova fibra têxtil biodegradável feita a partir do ágar-ágar, um polímero extraído de algas vermelhas abundantes no Nordeste.

 

A estilista têxtil e pesquisadora de novos materiais afirma que não são utilizadas grandes quantidades de recursos naturais para a fabricação das fibras de ágar e que há grande potencial para substituir fibras derivadas de petroquímicos não renováveis, prejudiciais para o meio ambiente.

 

Este é um material biocompatível, biodegradável, compostável e todo seu processo é sustentável, até o seu descarte consciente. O ágar utilizado para produção da fibra é também utilizado na indústria alimentícia e essa espécie não precisa ser arrancada da raiz.

 

As fibras de ágar junto com um novo modelo de circularidade para a indústria da moda estão concorrendo ao desafio proposto pela Fundação H&M, na Suécia, e é uma das 12 ideias brasileiras finalistas entre 1409 projetos inovadores de 100 países.

Compartilhar:

Leia Também