Estudantes de Pernambuco criam repelente com canela e hortelã para combater Aedes aegypti

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Cinco estudantes do 1º ano do Ensino Médio de uma escola em Ipojuca, em Pernambuco, desenvolveram aromatizante e larvicida à base de canela e hortelã.

 

 

O projeto, finalista do Prêmio Respostas para o Amanhã, tem a capacidade de combater o mosquito Aedes aegypti com mais eficácia do que repelentes industrializados.

 

 

A ideia teve como motivação um grande aumento em Pernambuco, em 2019, do número de casos de dengue, zika e chikungunya, doenças que, assim como a febre amarela, são transmitidas pelo Aedes aegypti.

 

 

O grupo de iniciação cientifica da Escola de Referência em Ensino Médio de Ipojuca, cidade com cerca de 85 mil habitantes que compõe a Região Metropolitana do Recife, buscou uma maneira de barrar o desenvolvimento do mosquito em todos os seus estágios utilizando apenas substâncias orgânicas. Para isso estudaram plantas medicinais e conseguiram resultados com a combinação de óleos essenciais de hortelã-pimenta e canela.

 

Compartilhar:

Leia Também