Instituto de Cosmetologia desenvolve filtro para proteger a pele da radiação das luzes emitidas por telas

quarta-feira, 14 de abril de 2021

Muitos de nós passa mais tempo na frente das telas do que exposto ao sol. Pensando nisso, pesquisadores desenvolveram um produto capaz de bloquear os raios emitidos pelos equipamentos.

 

Segundo estudo, estes equipamentos eletrônicos emitem luzes que, entre outros danos, enfraquecem as células responsáveis por sintetizar colágeno e elastina. Ou seja, causam envelhecimento precoce e manchas na pele.

 

À frente de uma equipe de formuladores, o pesquisador Lucas Portilho, do Instituto de Cosmetologia da Unicamp, desenvolveu o Sérum antiluz de telas. Específico para ambientes internos, o produto oferece proteção não apenas contra a radiação azul, como os filtros que estão no mercado, mas também sobre as luzes verde e vermelha.

 

Os efeitos da exposição às luzes azul, verde e vermelha provenientes das telas mereceram estudos científicos na França. As radiações emitidas foram simuladas em laboratório e constataram que além de aumentar a formação de radicais livres, elas causam inflamações cutâneas, que também causam manchas.

 

O sérum é formulado com diversos ativos. Um deles é o Raykami, obtido de uma planta chamada Artemisia capillaris, proveniente do norte do Japão, onde se localiza uma das últimas florestas primordiais do Planeta. Cultivada na região de Shirakami, a planta é produzida a partir de métodos ancentrais, alinhados com conceitos de agricultura orgânica.

Compartilhar:

Leia Também