Lixo radioativo é tratado com cascas de arroz e café

sábado, 24 de outubro de 2020

Dois materiais abundantes no país foram testados com sucesso no tratamento de rejeitos radioativos em pesquisa do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, instituição associada à USP. Estamos falando das cascas de arroz e do café.

 

 

Os melhores resultados foram obtidos com a casca de café não processada, que absorveu rejeitos de urânio e amerício, duas substâncias radioativas cuja remoção é feita atualmente por meio de técnicas que apresentam custos elevados de aplicação.

 

 

As cascas de arroz e café foram obtidas junto às empresas do setor. São produtos de fácil obtenção e de baixo custo. Todas as biomassas foram lavadas, secas em estufa, esterilizadas e trituradas. Uma parte foi utilizada sem nenhum preparo e outra foi submetida a tratamento químico.

 

 

O objetivo é que, no futuro, a técnica seja capaz de reduzir volumes significativos de rejeito líquido a pequenas massas de rejeito sólido, facilitando seu acondicionamento final. Os resultados do trabalho são descritos em artigo publicado em revista científica internacional.

Compartilhar:

Leia Também