Microalga brasileira é capaz de tratar efluentes

quarta-feira, 28 de abril de 2021

Uma microalga selecionada do banco de germoplasma da Embrapa Agroenergia, no Distrito Federal, obteve sucesso, em laboratório, na limpeza de material inorgânico do Pome, efluente gerado no processamento do óleo de dendê.

 

A microalga que havia obtido êxito no tratamento do efluente da indústria sucroenergética, a vinhaça, mostrou desempenho semelhante com o processamento do dendê, também chamado de palma de óleo.

 

Em apenas cinco dias, a microalga reduziu em 98% a quantidade de fosfato do efluente, e em 99% os níveis de nitrito e de amônia. Um resultado surpreendente se comparado aos cerca de três meses que uma lagoa de estabilização leva para promover limpeza semelhante.

 

O material inorgânico é formado principalmente por moléculas que contêm fósforo, nitrogênio e potássio. Para que eles não sejam lançados na natureza, o Pome é mantido durante semanas em lagoas de estabilização para que, em processos naturais, eles sejam consumidos e separados. É uma boa alternativa.

Compartilhar: