Estudo revela que musicoterapia pode reparar danos cerebrais

quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

A música tem um efeito poderoso no cérebro humano. Além de ser uma terapia, cantar, tocar um instrumento e ouvir uma canção ativam várias áreas do cérebro que controlam a fala, o movimento, a memória e a emoção.

 

Isso quer dizer que a música pode aumentar a massa cerebral, o que pode ajudar o cérebro a se reparar. Agora, estudos mostram que, para pessoas com Alzheimer, a música muitas vezes pode desencadear uma reação, ajudando os pacientes a acessar memórias que antes eram perdidas.

 

Os pacientes que sofreram danos cerebrais podem conseguir cantar uma música quando ela é tocada. Dado esse efeito poderoso, os pesquisadores estão investigando se ela pode ser usada para tratar condições neurológicas diferentes – como um AVC ou a doença de Parkinson.

 

A musicoterapia neurológica funciona um pouco como a fisioterapia ou a fonoaudiologia. As sessões usam exercícios musicais ou rítmicos para ajudar as pessoas a recuperar habilidades funcionais. O ritmo pode fazer toda a diferença durante um tratamento.

Compartilhar:

Leia Também