Técnica usada na Unifesp permite sequenciar o genoma do novo coronavírus com resolução

sexta-feira, 03 de setembro de 2021

Cientistas da Unifesp – Universidade Federal de São Paulo – conseguiram, pela primeira vez no Brasil, sequenciar diretamente o RNA do SARS-CoV-2, o vírus causador da covid. A resposta pode auxiliar na produção de um medicamento mais eficaz para combater a doença.

 

A técnica utilizada permite mapear o genoma viral com aproximadamente 25 vezes mais resolução do que os métodos convencionais de sequenciamento. Desse modo, é possível ter uma noção mais precisa da biologia do patógeno e de como seu genoma está evoluindo.

 

A pesquisa é feita no Centro de Bioinformática Médica da Escola Paulista de Medicina. E o resultado se mostra muito promissor porque permite entender por que há cepas mais virulentas ou mais capazes de escapar de nosso sistema imune.

 

O SARS-CoV-2 é um vírus de RNA de fita simples. Para sequenciá-lo pelo método convencional, recorre-se a uma técnica conhecida como RT-PCR. É como se pelo sequenciamento convencional o vírus fosse identificado parcialmente. Já com o método utilizado no novo estudo é possível olhar diretamente para o RNA viral como ele é encontrado em forma viva.

Compartilhar:

Leia Também