A Natureza Através da Aromaterapia

segunda-feira, 04 de maio de 2020

Você já parou para pensar na diversidade da Natureza?

Como ela é diferente em cores, temperaturas, texturas, aromas, integração, doação, transmutação e ainda assim consegue ser bela e intrigante, agradando todos os gostos?

 

Agora, será que a função dela é somente nos mostrar a beleza, a harmonia, a diversidade?

 

Não, com certeza não! Ela tem um propósito muito maior. Ela vai muito além da beleza, ela nos ensina, a meu ver, a grande chave da transformação da consciência, que é o COMPARTILHAR.

 

Já reparou como ela compartilha tudo em todos os reinos: mineral, vegetal e animal?

 

Vamos nos aprofundar no reino Vegetal.

Nossa!! quantas coisas lindas ela compartilha conosco: nos dá alimento, nos oferendo seus frutos e folhas, purifica o ar que respiramos, cede sua madeira para nos abrigar, encanta nossos olhos com tanta beleza, desde sua vegetação rasteira como uma grama, um arbusto como o alecrim, uma erva como a melissa, as árvores frutíferas (como é linda e perfumada uma figueira ou uma mangueira), sem falar da infinidade de flores e suas cores, até uma planta carnívora é intrigante e fascinante.

 

Mas mesmo com tudo isso ela ainda nos oferece algo ainda mais especial que são os ÓLEOS ESSENCIAIS.

 

Estes são a essência pura da planta. Sempre associo a importância do óleo essencial na planta à mesma importância que o sangue tem pra nosso corpo. Só que vai além, é uma energia viva, que vibra, que volatiza do vidro até mesmo quebrando sua tampa para sair.

 

Ele tem uma composição química tão complexa que chega a ter mais de 200 tipos diferentes de componentes em uma harmonia perfeita, e é através dessa harmonia e combinação que identificamos cada grupo aromático e suas características, como:  os cítricos, os herbais, os florais, os amadeirados, as raízes, as resinas e as especiarias.

 

Existem muitas plantas de espécies bem diferentes que produzem óleos essenciais, e que também são produzidos em diversas partes das plantas, mas nem toda planta aromática tem seu óleo essencial utilizado pela AROMATERAPIA.

 

Por exemplo, a Sálvia oficinallis, aquela que costumamos usar na alimentação ou mesmo na defumação, seu óleo essencial é toxico para o uso terapêutico, usamos sim, o Óleo Essencial da Salvia Esclareia que é um grande antiespasmódico e regulador hormonal feminino, além de trabalhar emocionalmente resgatando a essência feminina, reconhecendo a maturidade. Este é só um exemplo de muitos.

 

Vamos conhecer mais esses grupos e entender como tudo isso funciona.

 

O Olfato, um sentido muito complexo, porque é através dele que acessamos nossas emoções e lembranças mais escondidas. Todos nós já passamos por situações aonde o cheiro de uma comida específica nos remete à infância ou a um jantar romântico que vivenciamos; o cheiro de um perfume, de uma planta, até mesmo cheiros não tão agradáveis, mas que podem acessar lembranças boas, e é impressionante como lembramos cada detalhe da situação vivida com aquele aroma, não é mesmo?!

 

Pois é, o olfato acessa diretamente nosso Sistema Límbico que é o nosso “Cérebro emocional”.

 

Tudo que vivemos e registramos de bom ou “ruim” ficam armazenados nessa região associado a algum cheiro específico. Quando por algum motivo entramos em contato novamente com esse cheiro, automaticamente acessamos a informação ou mesmo temos uma reação física relacionada (cheiro de pizza hummmm, salivei, deu fome).

 

Você deve estar se perguntando, os cheiros de um modo geral resgatam nossas lembranças e também influenciam nosso corpo provocando reações fisiológicas, então, qual a ação dos óleos essenciais no nosso físico e emocional? E como usá-los para aproveitar ao máximo suas propriedades?

 

É tudo tão simples e até obvio que muitas vezes desconfiamos, mas é na simplicidade que está toda a diferença.

 

Como eu disse antes, temos os grupos aromáticos, vou falar do mais comum e também não vou entrar nas especificações e indicações químicas, que são muitas. Vou abordar o lado emocional  e sensível .

 

Os Óleos Essenciais CÍTRICOS, aquele azedinho que sai da casca da laranja ou do limão quando vamos fazer um suco, sim ele mesmo, eles estão na casca, sua função principal: proteger sua Semente de invasores que podem a impedir  de crescer e dar novas árvores. Ele seleciona e organiza o que pode e que não pode chegar até a semente.

 

Temos neste grupo os Óleos Essenciais de Laranja Doce, Laranja Azeda, Tangerina, Limão, Bergamota, Grapefruit, Lima, Mandarina e algumas variações delas.
Cada uma com uma indicação mais específica, mas todos estes Óleos Essenciais irão trabalhar nosso mental: ajudando na organização emocional , mental e física. Exemplos:

 

As LARANJAS são reguladoras do nosso sistema digestório, emocionalmente este sistema está relacionado à maneira que faço a “digestão das experiências e emoções” do meu dia a dia. Pensando no processo digestivo, o que nosso corpo faz, separa do alimento tudo que ele pode absorver de melhor e elimina o que não é necessário, certo?

 

Emocionalmente para digerirmos uma situação precisamos que ela seja organizada no nosso mental, colocando cada fato no seu devido lugar, para ai sim entender o processo e conseguir tomar as decisões necessárias (ou não) para a situação.

 

Esse é o processo da Laranja, ela vai nos ajudar na organização interna e externa começando no mental, que reflete no emocional trazendo leveza, alegria, clareza, e a nível físico ela também ajuda a organizar aquelas gordurinhas (que são emoções) que estão fora do lugar no nosso corpo.

 

Usando 10 gotas no difusor de ambiente ou 1 gota do difusor aromático pessoal  por uma semana, já sentiremos um grande movimento interno voltado para essa organização. Ela e deliciosa para termos um sono relaxante, traz alegria e disposição, é boa para crianças birrentas, só não esqueça que não pode passar na pele, ela mancha!

 

Veja bem os Óleos Essenciais, através da sua parte química e energética, são “ferramentas” acionando e estimulando nosso organismo para que volte ao seu equilíbrio e função natural.
E só fazem “milagres” se usados junto com um processo profundo de autoconhecimento, aceitação e respeito por si mesmo, pelo outro e pela Natureza.

 

São complementares a diversas técnicas e tratamentos alopáticos, e jamais devem substituir qualquer tipo de tratamento.

 

Enfim, é difícil definir até aonde os Óleos Essenciais podem atuar em nós, é um campo de infinitas possibilidades, só entrando em contato com eles é que conseguiremos sentir de verdade, então, convido vocês a se permitirem sentir e se transformar com essas “joias” da natureza !

 

Abraços aromáticos

Por Andrea Darco

 

 

 

 

 

Compartilhar:

Leia Também