Como ter uma alimentação sustentável?

quarta-feira, 23 de junho de 2021

A alimentação sustentável é o tema de muitos debates em assuntos que envolvem o meio ambiente e o processo de industrialização de alimentos. A mudança de hábitos alimentares é essencial para a sustentabilidade.

 

Os impactos causados ​​pelo homem no meio ambiente podem causar danos difíceis de reverter ao longo dos anos, mas quem pode contribuir para um futuro diferente, deve atentar para as possibilidades e oportunidades de evitar.

 

Neste post, vamos abordar uma reflexão sobre a importância da alimentação saudável e como o meio ambiente pode ser afetado pela produção de alimentos. Continue lendo para conhecer 6 hábitos que podem conscientizar o meio ambiente!

 

A importância da alimentação sustentável

 

A conscientização e o equilíbrio da utilização dos recursos naturais são princípios básicos da importância de uma alimentação sustentável. Com boas práticas, não apenas a saúde será beneficiada, mas também o meio ambiente no presente e futuro.

 

Compreender que as pequenas atitudes sustentáveis no dia a dia podem mudar o conceito de consumo, significa um novo olhar sobre os processos de produção de alimentos. Com isso, o aproveitamento e o descarte ganham maior importância e fundamento.

 

Como etapas de produção, a preparação e o processamento dos alimentos até chegar à mesa dos consumidores podem ser mais agressivos e invasivos quando não respeitam as condições do meio ambiente.

 

Como os alimentos afetam o meio ambiente

 

Além dos cuidados com a saúde, se preocupe com os métodos de produção de alimentos que ajudam a entender quais são os impactos causados ​​no planeta. O uso desenfreado, principalmente, da água e solo é um dos causadores do desequilíbrio ambiental, desde o plantio até a colheita, da criação ao abate.

 

Todo o investimento e trabalho para deixar os alimentos no ponto de consumo, não podem ser compensados ​​corretamente. O desperdício, junto com o descarte ocasional de efeito desnecessário no meio ambiente, desigualdade e prejuízos financeiros que são repassados ​​no preço final dos produtos.

 

Em uma pesquisa de 2018, a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) com apoio da Fundação Getúlio Vargas, emitiu um relatório de uma pesquisa realizada para entender o comportamento brasileiro em relação ao desperdício de alimentos.

 

Os números são alarmantes, 128 quilos de comida são desperdiçados ao ano em uma realidade mundial, onde cerca de 800 milhões de pessoas passam dificuldades para se alimentar corretamente.

 

Essa é uma estatística que fortalece as campanhas de conscientização e coloca a população brasileira em um lugar desconfortável de má conduta, em relação ao aproveitamento de alimentos e contenção do desespero.

 

As perdas de frutas, hortaliças, raízes, tubérculos e carnes são consideradas, ou chamam a atenção para uma urgência na mudança de visão, comportamento e hábitos para preservar a natureza.

 

6 hábitos que contribuem para a adoção de uma alimentação mais consciente:

A conscientização sobre o uso de recursos naturais é um dever cívico, pois ela resulta em ações em defesa do planeta. Para usufruir de um meio ambiente saudável, os adultos devem não apenas ter boas práticas, mas ensinar às crianças e jovens também.

 

Os bons hábitos serão determinantes para o futuro, uma população mundial não sofra com os efeitos iniciados no passado. A mudança deve começar já, pois são os pequenos passos que se tornam grandes ações de alcance coletivo.

 

1. Evitar o uso de embalagens e descartáveis
Muitas embalagens não usam reciclagem, logotipo, geram resíduos que demoram para se decompor, ou que causam impacto na qualidade do solo, águas e rios. Dê preferência aos alimentos frescos, que permitem pouca embalagem ou priorize as opções biodegradáveis.

 

Talvez não seja possível renunciar a alimentos selecionados, mas escolher o tipo de embalagem — que tenha reaproveitamento ou reutilização para outras barbatanas, retardo ou descarte e acúmulo no meio ambiente.

 

2. Reaproveitar sobras de alimentos
Você sabia que em muitos casos, como cascas de alimentos, talos e sementes o valor nutricional é maior que no próprio alimento? O aproveitamento de 100% dos alimentos pode promover uma alimentação muito mais saudável e rica.

 

Como sementes de abóbora, uma casca de laranja, os talos de verduras verde-escuro, por exemplo, são fontes de proteínas, vitaminas e minerais essenciais para o organismo. É possível usar os talos em farofas e caldos , assim como sementes em saladas.

 

Na internet, você encontrará ideias de receitas — bolos, sucos, vitaminas — para reaproveitamento de sobras de alimentos. Se não estiver pronto para preparar receitas e quiser aproveitar as sobras de alimentos, você poderá usar na compostagem doméstica, que é um processo ecológico de transformação de resíduos orgânicos em adubo.

 

Mesmo que não seja intenção cultivar hortas e plantas, você pode fazer um bem ao planeta, preparar a compostagem e fazer a doação posterior a quem tem o hábito de cultivar em casa.

 

3. Armazenar corretamente
O armazenamento correto dos alimentos vai garantir uma validade mais longa e evitar o desperdício. Seja na geladeira, seja no armário, tenha o cuidado de observar como os alimentos e o tempo máximo de consumo.

 

4. Reciclar o lixo doméstico
A quantidade de lixo gerado diariamente em uma casa depende do número de habitantes e hábitos de consumo. De todo modo, uma seleção de lixo reciclável e não reciclável é de extrema importância para o processo de descarte.

 

Na maioria das cidades existem galpões de coleta de papel, vidro, plástico e outros recicláveis. Se você deseja mesmo ajudar e colaborar para a saúde no meio ambiente, a seleção do lixo é um passo inicial que pode e deve envolver toda a família.

 

5. Consumir menos carne
A produção de alimentos de origem animal, principalmente a carne vermelha, tem um impacto ambiental nocivo, considerando as quantidades de água, terra e fertilizantes nitrogenados usados ​​na expansão produtiva.

 

Estudos realizados nos Estados Unidos, detectaram um alto percentual de energia bruta consumida por bovinos, com grande desperdício de produção e remoção de gás metano.

 

Você não precisa se tornar um vegetariano para contribuir, só a redução do consumo de carne já terá efeito positivo no meio ambiente. Participe de programas como “Desafio 21 dias sem carne ”ou então, adote uma dieta flexível, com substituição expressiva de alimentos de origem animal por vegetais.

 

6. Consumir alimentos naturais
Por falar em vegetais, uma ingestão de alimentos naturais, além de fazer um bem enorme para a saúde, prevenir doenças cardiovasculares e diabetes, por exemplo, será favorável às práticas de minimização de efeitos sobre o meio ambiente.

 

A produção de alimentos de origem vegetal é mais respeitada e sem processamentos que exigem um consumo alto de água, energia ou insumos e conservantes. Quanto mais natural, menor a degradação do meio ambiente.

 

Dê preferência aos pequenos produtores, regiões próximas, se possível conhecer os procedimentos e métodos de trabalho. Se informe para saber sobre o envolvimento de empresas que se preocupam em comercializar com consciência e responsabilidade.

 

Seu senso crítico, observação sobre a origem dos alimentos consumidos nas refeições, vai promover uma alimentação sustentável, com um caminho mais curto e saudável de produção, sem agressão ao meio ambiente.

 

Lembre-se de que sua atitude e todos os seres humanos, em relação ao meio ambiente, refletem o estado de evolução ou a evolução da natureza e seus recursos. Escolher uma alimentação sustentável é priorizar um mundo melhor e mais saudável para viver, hoje e sempre.

 

Por Cyntia Maureen

Compartilhar:

Leia Também