As melhores atividades físicas para a mulher de cada idade (Parte III)

quinta-feira, 05 de março de 2020

Musculação, corrida, dança? Profissionais sugerem tipos de exercícios mais indicados para sua faixa etária

 

Acima de 50 anos

 

Roberta explica que, acima dos 50 anos, o organismo começa a tornar-se mais frágil, mas a atividade física regular ajuda principalmente a evitar a desaceleração metabólica, a perda de massa muscular, auxilia na qualidade dos movimentos e, com isso, ajuda a evitar lesões.

 

Em geral, os objetivos da realização de atividade física regular para a população a partir desta faixa etária são, conforme destaca a professora Roberta:

 

Manutenção da Saúde;

 

Manter e/ou restaurar a independência básica para as atividades de vida diárias;

 

Aliviar a dor;

 

Prevenir e corrigir deformidades;

 

Manter a mobilidade articular necessária para a realização de atividades básicas;

 

Recuperação ou manutenção do equilíbrio e coordenação motora;

 

Melhorar e manter e trofismo e tônus muscular;

 

Melhorar capacidade cardiorrespiratória;

 

Redução de triglicerídeos;

 

Redução da pressão arterial;

 

Redução da tendência à arritmia pela diminuição da sensibilidade à adrenalina;

 

Aumento da sensibilidade das células à insulina;

 

Estímulo ao aumento da velocidade das respostas hormonais e imunológicas;

 

Redução da gordura corporal devido ao maior gasto calórico;

 

Tendência à elevação da taxa metabólica pelo aumento da massa muscular;

 

Atua na profilaxia de doenças melhorando os fatores de risco para o desenvolvimento de diversas patologias.

 

Neste sentido, seguem algumas sugestões de atividades mais indicadas para esta faixa etária:

 

  1. Atividades na água (como hidroginástica, natação)

 

Nesta idade, conforme destaca Roberta, não é indicado que se realizem atividades de alto impacto, já que a densidade óssea torna-se menor e isso poderia causar lesões. “Por isso, é muito comum encontrarmos mulheres realizando atividades na piscina, já que no ambiente aquático o impacto torna-se reduzido. Hidroginástica e natação são as atividades mais procuradas, mas hoje também são apresentadas atividades de corrida e de bicicleta na água”, diz.

 

Priscila ressalta que a natação e a hidroginástica são agradáveis e seguras. “E também são atividades aeróbias que ajudam no condicionamento físico, na parte respiratória e cardiovascular”, diz.

 

  1. Musculação

 

Muitas mulheres nesta faixa etária têm aderido também à musculação que, de acordo com Priscila, é uma atividade que reforça toda a estrutura corporal.

 

Souza ressalta que é interessante manter os exercícios aeróbicos, inclusive os de impacto como a corrida, desde que não haja problemas nas articulações dos quadris e joelhos, e os de resistência muscular para reduzir o risco de fraturas por conta de uma provável osteopenia e possível osteoporose.

 

  1. Treinamento Funcional

 

Outra atividade muito procurada, segundo Roberta, é o Treinamento Funcional. Existe, atualmente, vários profissionais de Educação Física trabalhando com essa área. “Este tipo de treinamento é específico a esta faixa etária e auxilia as pessoas a manterem o tônus muscular e elasticidade muscular, além de uma boa flexibilidade das articulações e, com isso, os movimentos necessários para uma independência diária com qualidade de vida”, diz.

 

Roberta acrescenta que não é comum encontrarmos mais pessoas idosas que são dependentes dos familiares… “A população atual tornou-se mais velha e com boa qualidade de vida. A idosa de hoje se encontra com as amigas no clube, sai para jantar com a família, vai a shows, viaja e brinca com os netos. E, neste contexto, a atividade física regular ajuda a manter toda esta disposição”, diz.

 

  1. Dança de salão

 

Que tal apostar ainda na dança de salão?! “A dança oferece benefícios que podem ainda ser maiores nessa faixa etária, pois essa modalidade se encaixa perfeitamente às necessidades e condições dessa idade. É preciso melhorar a qualidade de vida, e nada melhor do que atividades físicas que trabalham o corpo e a alma”, destaca Priscila.

 

A profissional ressalta que a dança, como atividade física, ajuda no fortalecimento dos músculos, na respiração, no equilíbrio. “Também trabalha a questão social (já que geralmente é praticada em grupo), sendo assim, mantém a mente ativa e ajuda a prevenir quadros de depressão, que são mais frequentes a partir dessa idade”, diz.

 

Os principais benefícios das atividades físicas em geral

 

Certamente não faltam bons motivos para se exercitar constantemente! Roberta explica que a atividade física regular é a que proporciona um maior número de benefícios. “Basicamente, podemos chamar de atividade física regular atividades físicas realizadas pelo menos 3 vezes por semana e pelo menos 30 minutos ao dia”, diz.

 

Os benefícios da atividade física regular são muitos e, como exemplo, Roberta cita alguns:

 

Controla o peso corporal: a prática da atividade física regular ajuda a gastar as calorias consumidas em excesso e que seriam guardadas em forma de gordura como fonte de energia para manter o corpo em movimento, ou mesmo, a metabolizar a gordura já acumulada. “Combinar exercícios físicos aeróbios e anaeróbios ajuda a metabolizar diferentes reservas de energia e, com isso, é o mais indicado para a perda de peso e para tonificar os músculos, ou seja, reduzir a gordura corporal”, acrescenta a professora de Educação Física.

 

Melhora a saúde cognitiva (mental): a atividade física regular ajuda na prevenção da ansiedade, estresse e depressão. “O corpo fica com mais energia, o que torna a pessoa mais autoconfiante e, com isso, mais feliz consigo mesma”, explica Roberta.

 

Melhora a saúde física: a atividade física regular melhora o funcionamento do organismo como um todo. “Isso porque aumenta a densidade óssea; melhora a tonificação muscular; melhora a postura e coordenação; aumenta a ventilação pulmonar; reduz a pressão arterial e a frequência cardíaca de repouso; melhora a ação do sistema imunológico e hormonal; melhora a flexibilidade das articulações, o equilíbrio e a resistência dos praticantes”, destaca a professora.

 

 

Previne problemas de saúde em geral: ajuda a prevenir, controlar e, algumas vezes, até a curar o risco de desenvolver doenças crônicas e agudas, como, por exemplo, diabetes, pressão alta, doenças cardiorrespiratórias, osteoporose entre outras. “Já existem estudos que comprovam a melhora de resistência até para o câncer”, acrescenta Roberta.

 

 

Os cuidados mais importantes na hora de se exercitar

 

Independentemente da idade da mulher e do tipo de atividade escolhida, é muito importante que ela conte com orientação profissional para se exercitar.

 

Toda e qualquer atividade física tem que ser orientada por um profissional de Educação física, destaca Priscila. “O profissional da área é o único que vai saber avaliar e prescrever os exercícios de acordo com o seus objetivos e necessidades, saberá regular o volume, a intensidade e a carga de cada exercício. Passará todas as coordenadas, minimizando os riscos de acidentes”, diz.

 

Roberta ressalta que a atividade física deve sempre ser iniciada em uma intensidade mais baixa para uma intensidade alta e, para que isso aconteça de forma adequada, é indispensável o acompanhamento de um profissional de Educação Física, independentemente da atividade física escolhida para a prática.

 

Além disso, acrescenta Roberta, a prática de atividade física regular deve estar sempre aliada a uma boa hidratação e alimentação. “Dependendo da idade e da condição física inicial, é necessário fazer uma avaliação médica e o acompanhamento de um nutricionista”, diz.

 

“Sem dúvida é importante também lembrarmos de que cada atividade física exige uma vestimenta e calçados adequados à atividade”, finaliza a professora Roberta.

 

Então já sabe: encontre uma atividade física que mais te agrade e usufrua de todos os benefícios que ela pode oferecer!

 

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

 

Por Tais Romanell

Compartilhar:

Leia Também