Empreendedorismo Feminino: Como mulheres empreendedoras alcançam o sucesso

quinta-feira, 19 de novembro de 2020
Introdução

 

Entrar no mundo do empreendedorismo feminino não é uma tarefa fácil. A maioria das mulheres decide criar um negócio por necessidade, afinal, 45% dos lares brasileiros são chefiados por elas. Outros aspectos como a busca por horários flexíveis e a dificuldade de inserção no mercado de trabalho incentivam muitas mulheres a empreender.

 

 

Nesse sentido, várias empreendedoras precisam lidar com a dupla jornada, ou seja, cuidar do negócio, da casa e dos filhos. Além disso, muitas enfrentam o medo de falhar e a dificuldade de serem levadas à sério no mundo dos negócios.

 

 

Apesar disso, o empreendedorismo feminino também serve como um caminho para a independência financeira da mulher. Ainda, essa é uma forma de gerar empregos, apoiar outras mulheres, obter realização pessoal e fazer a diferença na economia e na sociedade.

 

 

Neste artigo, vamos te explicar qual é a importância do empreendedorismo feminino e qual é o cenário deste mercado hoje. Também vamos te dar dicas de ações e ferramentas para você ter sucesso como empreendedora.

 

 

O que é Empreendedorismo Feminino?

 

 

O empreendedorismo feminino envolve as iniciativas empreendedoras realizadas por mulheres. Vale destacar que muitas vezes temos uma imagem deturpada sobre quem empreende no Brasil. Geralmente, pensamos logo em grandes empresários.

 

 

Porém, pequenas produtoras locais, profissionais individuais e startups com lideranças femininas também compõem uma importante parcela do empreendedorismo no país. Todas essas ações são muito benéficas para a economia e para a sociedade como um todo. Até porque, com a inserção das mulheres nos negócios, as perspectivas se tornam mais diversas, inclusivas e inovadoras.

 

 

Ou seja, o empreendedorismo feminino é importante não só para aquelas que decidem criar um negócio. Ele ajuda a transformar as empresas e a realidade de diversas pessoas ao seu redor. Tais atitudes garantem novas visões de mercado, inspiram mais mulheres a ser independentes financeiramente, e movimentam a economia.

 

 

Para a mulher que empreende e conquista uma autonomia financeira, há mais chances de interromper ciclos de violência doméstica, por exemplo. Mais do que uma busca por lucro, várias delas querem construir uma história de protagonismo e realização pessoal por meio dos negócios.

 

 

Mercado do Empreendedorismo Feminino

 

 

No Brasil, já existem mais de 30 milhões de mulheres empreendedoras. O número corresponde a 48,7% de todos os empreendimentos. Os dados são do Global Entrepreneurship Monitor (GEM, 2018).

 

 

Além disso, uma pesquisa do SEBRAE mostra que o número de empreendedoras cresceu 21% de 2001 a 2011. No mesmo período, o número de homens que empreendem aumentou somente 9%.

 

 

Em relação ao microempreendedorismo individual, as mulheres trabalham principalmente em atividades de beleza, moda e alimentação. O local de funcionamento de 55,4% das MEI é a própria casa.

 

 

De acordo com o SEBRAE (2018), a maioria das empreendedoras atua nas áreas de alimentação, serviços domésticos e comércio varejista de roupas e cabeleireiros. Esse estudo evidencia que ainda há poucas mulheres donas de empresas de tecnologia e engenharia, por exemplo.

 

 

Assim, os dados também expõem as dificuldades do empreendedorismo feminino. As mulheres empreendedoras são mais jovens e tem nível de escolaridade 16% superior ao dos homens. Porém, elas ganham 22% menos do que eles. Enquanto os empreendedores tiveram o rendimento médio mensal de R$ 2.344, o delas ficou em R$ 1.831. O levantamento foi realizado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

 

As mulheres empreendedoras também enfrentam desafios para obter crédito e financiamentos. Ela acessam, em média, R$ 13 mil a menos do que o valor liberado aos homens. Outro dado é que as mulheres têm índices de inadimplência mais baixos. Mesmo assim, elas pagam taxas de juros 3,5% maiores do que a dos empreendedores.

 

 

Dicas para uma mulher empreendedora

 

 

1. Desenvolva autoconfiança

 

 

Realizar mudanças e começar no mundo do empreendedorismo feminino pode ser estressante e gerar incertezas. Mas, é importante acreditar no seu potencial e na sua possibilidade de desenvolvimento. Nenhuma empreendedora nasce com um dom para isso. Ninguém nasce com todas as habilidades necessárias para criar um negócio.

 

 

Ou seja, acredite no seu processo e confie que você é capaz de aprender coisas novas. Além disso, não tenha medo de falhar. Isso porque é inevitável cometer erros. O processo de empreender envolve testar soluções e fazer ajustes.

 

 

2. Construa uma rede de apoio

 

 

Um elemento essencial para fazer um negócio dar certo é o networking. Por isso, busque parcerias tanto online quanto offline. Foque em empresas que atuem no mesmo nicho de mercado com você.

 

 

Além disso, é muito benéfico formar uma rede de mulheres empreendedoras para trocar experiências e apoio. Acredite, muitas pessoas estão em uma situação parecida com você. Aquele velho ditado faz muito sentido aqui: “Quem caminha sozinho chegar mais rápido, mas quem vai acompanhado, chega mais longe”.

 

 

Uma dica é procurar organizações de fomento ao empreendedorismo feminino, grupos de discussão, perfis nas redes sociais sobre o seu nicho, eventos relacionados ao seu negócio, etc.

 

 

3. Atualize seus conhecimentos

 

 

Qualquer empreendedor ou empreendedora precisa estar em constante evolução. Até porque, o mercado muda rapidamente. Por isso, estude constantemente sobre a sua área de atuação. Você pode buscar ebooks, webinars, vídeo aulas, palestras e cursos online, por exemplo.

 

 

As atividades presenciais também são uma boa ideia, principalmente para fazer networking. Participar de programas de mentoria também é uma ótima ação que te apoia a desenvolver o seu negócio com a ajuda de alguém que já tem experiência no mercado.

 

 

4. Organize o seu tempo

 

 

Muitas mulheres empreendedoras enfrentam uma jornada dupla, isto é, cuidam da casa, da família e do negócio. Isso pode ser uma grande dificuldade na hora de empreender. O ideal é dividir as tarefas domésticas e conversar com os familiares.

 

 

Também é importante definir um horário específico para o trabalho e fazer uma gestão das tarefas. Para isso, te aconselho a quebrar os seus planos em pequenos projetos e metas. Dessa forma, fica mais fácil distribuir as tarefas e definir prazos. 

 

 

5. Inove

 

 

Muitos empreendedores e empreendedoras tem medo de inovar. É comum ver pessoas que querem empreender e passar muito tempo planejando o negócio. Mas, colocar as ideias em prática e testá-las e a coisa mais importante no empreendedorismo.

 

 

Atualmente, com a economia compartilhada, é fundamental inovar constantemente. Mesmo que a sua empresa já esteja consolidada no mercado, é fundamental rever o modelo de negócios e os processos.

 

 

Por exemplo, empreendimentos escaláveis e disruptivos como os marketplaces estão dominando o mercado. Isso acontece pela praticidade para os clientes e pelo alto potencial de faturamento que apresentam.

 

 

 

 

Conclusão

 

 

O empreendedorismo feminino envolve vários desafios e ao mesmo tempo oportunidades. Aos poucos, as mulheres estão conquistando cada vez mais espaço em diversos âmbitos, incluindo o mercado de trabalho e os negócios. Nessa jornada, é importante fazer uma boa gestão do tempo, buscar organizações de apoio e inovar!

 

 

 

Por Carol Kuviatkoski

 

Compartilhar: