Religiosidade e Psicoterapia juntas na promoção do bem-estar

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Entende-se por Intolerância Religiosa o desrespeito ao direito das pessoas ou grupos de terem suas crenças em detrimento de outra.

 

Desde os primórdios dos tempos os povos são perseguidos pelas suas opções espirituais, o que gera a intolerância por suas interpretações fanáticas ligadas à religiosidade. Fala-se muito em respeitar a todos por sua crença, sem julgamento e sem preconceito, porém na prática sabemos que nem sempre é assim.

 

A religião ajuda na construção do indivíduo de se reordenar na percepção de si, da autoimagem e senso de identidade no mundo, sentindo as opções de vida. A liberdade religiosa leva a uma atitude religiosa…

 

Tendo a liberdade religiosa como uma democracia em que as pessoas podem expressar sua liberdade nos cultos, nas crenças e nos pensamentos, valoriza-se a autopercepção e valorização da identidade não só pessoal, mas também em grupo. Ter direito a esta liberdade é estar inserido em sociedade de forma a expor suas opiniões e aceitar as opiniões dos outros.

 

Além de ser um item bastante estudado na sociologia, estudos científicos defendem a ideia de que o psicólogo também estude as pessoas considerando-as em seu contexto religioso-cultural. Por isso, uma avaliação do credo, das atitudes envolvendo o próximo e as diferenças, são fatores importantes clinicamente para que o terapeuta auxilie o indivíduo em seu amadurecimento.

 

Segundo artigo da Revista Rever, da PUC-SP, a religião é uma influência benéfica para a saúde física e mental das pessoas. Os autores afirmam a eficácia em utilizar a religiosidade a serviço da psicoterapia, partindo da ideia que ambas são potencialmente capazes de promover saúde e bem-estar, desde que sabiamente utilizados e sem sobreposição de saberes.

 

Temos uma lei contra a intolerância religiosa e ela é bem clara quanto às penalidades a pessoas que praticam e falam barbaridades sobre toda e qualquer religião.

O credo ajuda a qualquer pessoa a viver em maior fraternidade, auxilia nos problemas humanos, no autoconhecimento e empatia. Por isso, em contato com os estudos religiosos é maior a possibilidade de melhores relacionamentos interpessoais porque a religião faz parte da cultura e etnia de cada local.  Tais preceitos asseguram que se mantenha a ordem social, política e econômica. A religião colabora com o pertencimento àquela comunidade – e pertencer é fazer parte do todo sem esquecer de respeitar as diferenças. 

 

Por Maria Angela Chiamenti

Compartilhar:

Leia Também